As coisas boas de fevereiro/2017

Fevereiro é um mês curto e quando tem feriado, ele fica menor ainda. Foi um mês complicado pra mim. Mas é na complicação, quando o peito sufoca e a barriga queima (ansiosos entenderão), que a gente resolve que é hora de se movimentar. Sendo assim, apesar de tudo, fevereiro foi bom porque tomei decisões importantes para 2017 e algumas delas estão baseadas em:

  1. Não se acomodar ao que incomoda;
  2. Colocar um propósito em tudo na sua vida;
  3. Ter fé e paciência. Nada acontece da noite pro dia, mas a cada dia você pode dar um passo para o que almeja e isso só depende de você.

Confesso que as partes do propósito e da paciência são complicadas. Mas com fé, desejo de mudança e, claro, atitude sei que posso chegar onde desejo. Aliás, não só eu, mas você também que está lendo esse post agora e quer mudar algo na sua vida. Pense nos três pontos acima e jogue duro!

Outra atitude que estou colocando em prática desde o início do ano é listar no meu Bullet Journal, pelo menos, três coisas boas que aconteceram durante a semana. É uma forma de agradecer pelas pequenas conquistas diárias e também tentar colocar em prática algo que aprendi com o meu poeta Manoel de Barros: é preciso transver o mundo. Será que a semana foi tão tuim assim que não teve nada de bom? E se foi, por que não aproveitar o agora e fazer algo de bom para/por você? Nem que seja dormir numa cama super confortável por oito horas seguidas. Ver aquele filme que está na sua lista da Netflix desde quando você fez a assinatura, ou ler um bom livro, ouvir suas músicas preferidas.

O mundo exterior só interfere no nosso interior se a gente permitir. Logo, não permita! Por mais que o dia tenha sido cansativo, procure um momento para ter paz consigo mesmo ou ao lado daqueles que te fazem bem.

E estou falando tudo isso porque, como disse no início desse post, fevereiro foi complicado mas eu procurei maneiras de torná-lo menos complicado. Conversei com pessoas importantes na minha vida, ouvi Silva canta Marisa mil vezes (acho que vou ouvir agora de novo), li livros e vi filmes maravilhosos. As outras coisas boas de fevereiro eu conto abaixo:

  • Comecei a ler o terceiro livro da série Napolitana, História de quem foge e de quem fica, da escritora italiana Elena Ferrante

Tem horas que eu não sei explicar o que sinto quando leio a história de Lila e Greco, mas já falei aqui sobre A Amiga Genial e História do novo sobrenome.

Em fevereiro, também li Forrest Gump, de Winston Groom,  e O filho eterno, de Cristovão Tezza.

  • Fiz maratona do Oscar 2017. Vi Moana, Moonlight: sob a luz do luar, Estrelas além do tempo, Fences, Manchester: à beira mar, La la Land e A chegada.

Tem vídeo comentando sobre Moana, Moonlight e Estrelas além do tempo. Em breve, sai sobre La la land, Fences e Manchester.

  • Finalizei o Rock Your Life – programa de aperfeiçoamento pessoal e planejamento de metas. E muito desse desejo de mudança surgiu por causa do RYL. Foi uma experiência de autoconhecimento muito importante pra mim e ainda continua sendo. Agradeço imensamente a Manu e Bia por todo o carinho.
  • Coloquei no ar a tag Bahia Literária que une meu amor pela música baiana ao amor pelos livros.
  • O blog agora é parceiro do selo Catálogo Literário do Grupo Editoral Record. Aê! Ou seja, vem muita dica de leitura boa por aí, principalmente pro projeto #LeiaBrasileiros.
  • Passei o mês ouvindo Silva canta Marina, o álbum Júpiter, também de Silva, e Harmonia do Samba Romântico.

“é bom pra pensar em nada” (música Noturna – Nada de Novo na Noite, de Marisa, Silva e Lucas Silva)

  • Carnaval foi longe da folia de Salvador e na beira de praias sergipanas. Conheci alguns lugares lindos em Aracaju e região, como a Ilha dos Namorados (foto), e muito em breve vou publicar fotos e um vlog contando tudo. 😉

Que venham novos ventos e as águas de março pra mim e pra você!

Espalhe “As coisas boas de fevereiro/2017” por aí! 😉