Eu, Tituba, bruxa negra de Salem

“Eu, Tituba, bruxa negra de Salem” foi escrito pela escritora caribenha Maryse Condé em 1986. Chegou ao Brasil em 2019 através da Editora Rosa dos Tempos, do Grupo Editorial Record, com tradução de Natália Borges Polesso e prefácio de Conceição Evaristo.Continue lendo

Essencialismo | “Menos porém melhor”

“Menos porém melhor” é uma frase que encontrei no livro “Essencialismo”, de Greg McKeown

Essa leitura me fez pensar bastante em minimalismo, um movimento amado e odiado em todo mundo. Mas para além de termos e categorias fechadas, seja minimalismo ou essencialismo, todos esses movimentos apontam para uma vida com significadoContinue lendo

Podcast e livro brasileiros | #JGindica

O podcast “Proibido fritar pastel”, produzido pela escritora e filósofa Liliane Prata em parceria com o escritor Gael Rodrigues, é um dos podcasts mais maravilhosos para mim porque mistura compartilhamento de experiências pessoais, literatura, filosofia e sotaques. Continue lendo

[DIÁRIO DE LEITURA] O QUE O SOL FAZ COM AS FLORES

Tem um tempo que escolho um livro para fazer a leitura no início ou fim do dia. Geralmente são livros de poesias, crônicas, cartas ou desenvolvimento pessoal. Considero uma dose de arte com inspiração para iniciar ou finalizar bem o dia.

Continue lendo

[Diário de leitura] Mulheres na luta

A HQ Mulheres na Luta me fez lembrar de bell hooks quando ela diz, em seu livro O feminismo é para todo mundo, que a literatura feminista precisa chegar até várias pessoas e para isso deve ser escrita em vários estilos e formatos. bell fala também que “precisamos de trabalhos principalmente direcionados à cultura jovem”.Continue lendo

“Agendar a vida”

Gosto sempre de ler algum livro de desenvolvimento pessoal. Muita gente deixa esse tipo de conteúdo de lado porque considera autoajuda e tem preconceito com a categoria. Mas, por experiência própria, sei que no meio de algumas receitas milagrosas há sempre aqueles livros que se destacam e trazem mensagens e dicas interessantes.Continue lendo

autocrítica feminista e bell hooks

Gloria Jean Watkins, mais conhecida como bell hooks, é uma importante teórica feminista e autora afro-americana. O pseudônimo é uma homenagem à avó materna e para justificar a grafia em minúsculo a escritora diz que o mais importante em meus livros é a substância e não quem sou eu”.Continue lendo

Me Indica Aí #1 – livro e filme do nordeste

Resolvi tirar da gaveta de ideias mais uma seção de conteúdo para meus canais, principalmente o Youtube e o Podcast.

“Me indica aí” é um quadro com indicações curtinhas mas bem boas de livros, filmes, séries, música, revistas e o que rolar.

Lembrando que tudo que eu indicar aqui, eu já vi, ouvi, ou li. E que meu olhar, minha análise, minha leitura, está mais relacionado com a mensagem que cada produção tem para nos passar do que com os detalhes técnicos.

Continue lendo