Paixão pela possibilidade

Eu sigo alguns perfis nas redes sociais que incluo nas categorias motivação e inspiração. Geralmente são perfis voltados para espiritualidade e, claro, livros. Entre os perfis literários inspiradores tem o “Desculpe a poeira”, Instagram de um sebo que fica em São Paulo. Nunca fui lá, mas tenho muita vontade de ir e conhecer por conta da curadoria de citações que eles fazem diariamente nas redes sociais. Não sei dizer quem é o olhar por trás da curadoria, mas esse olhar é quase sempre certeiro, amigável, reconfortante, crítico e instigante.

Essa semana eles publicaram um trecho que está no livro “O princípio esperança”, de Ernst Bloch:

“Se eu pudesse desejar algo para mim, não desejaria riqueza nem poder, mas a paixão da possibilidade; desejaria apenas um olho, que eternamente jovem, ardesse de desejo de ver a possibilidade.”

Continue lendo

Entre o ON e o OFF

Hoje acordei com a ideia de ter um day-off, ou seja, ia ficar longe das redes sociais, do celular, e me dedicar a outras atividades. A necessidade veio por conta de três fatores: meu Twitter continua monotemático (política); preciso dar conta de uma pilha de apostilas que está aqui do lado; e me questionei: tenho a necessidade de ficar compartilhando a cada hora minha vida nos stories do Instagram e de checar a vida dos outros a cada momento?Continue lendo

felicidade e essência

Formato Imagem

já parou para perceber quantas vezes fingimos ser quem não somos para agradar os outros?

a gente muitas vezes respeita o limite e os desejos alheios e deixa de respeitar os nossos.

e enquanto passarmos a nos deixar de lado e a depositar nossas expectativas de felicidade nos outros, não seremos felizes nunca.

felicidade é saber estar só e saber estar em conjunto.

é ter compaixão, respeito, mas também saber praticá-los para si mesmo.

é parar de se comparar com os outros. cada um tem seu tempo. seu modo de viver. e de definir o que é ser feliz.

e principalmente é ter a certeza de que felicidade plena não existe. e que tudo bem também ter uns dias de recolhimento, de reflexão, dias difíceis. faz parte.

e, olha, é mais difícil viver de aparências, do que viver tentando ser plenamente quem se é.

quanto mais a gente vive de aparências, mais energia se gasta. todo dia a gente vai lutar pra ser algo que não é verdadeiro. e quando chegar a hora de ver o que você fez por você, vai perceber que nunca fez nada além do que esperavam que você fizesse.

encontre sua essência, seu propósito. tente vivê-los ao máximo.

_

para ler: O ano em que disse sim, de Shonda Rhimes

para ouvir: Beija eu – Silva canta Marisa | YouTube/ Spotify

para ver: Documentário Happy

para ler também: um café da manhã para você

 

 

 

Seja o máximo que deseja ser agora

Escrevo esse texto um dia após a tragédia da Chapecoense. Um dia triste que marcou a história do futebol brasileiro e também de todo mundo que não é insensível à vida. Houve de tudo nesse dia 29/11, lágrimas, piadas, oportunismo, mas na minha timeline ganhou disparado a mensagem de que “a vida é um sopro”.Continue lendo

Um café da manhã para você

A gente sempre fica esperando dos outros alguma demonstração de afeto e gentileza. E buscamos ser gentis porque acreditamos que “gentileza gera gentileza” e “o que vai, volta”, e ainda “não faça com os outros aquilo que não gostaria que fizessem com você”. São tantas expectativas e muitas delas atreladas ao outro.

Continue lendo