Série Napolitana – 5 motivos para ler

Nunca fui de ler séries de livros, mas desde 2016 fui arrebatada pela série Napolitana, da escritora Elena Ferrante. Em 2018, me despedi da tetralogia, mas sigo levantando a bandeira “Ferrante Fever” (febre Ferrante) por onde vou.

Elena Ferrante se mantém no anonimato mesmo sendo considerada um fenômeno da literatura contemporânea. O seu desejo de se manter ausente dos holofotes já causou incômodo em muita gente e resultou até em uma investigação sobre a identidade da autora, foi um verdadeiro CSI literário em 2016.

A série Napolitana é considerada pela própria autora como um grande romance, mas que foi dividido em quatro partes. A tetralogia é também um grande romance de formação e posso dizer, para simplificar a sinopse, que trata da história da amizade entre duas mulheres, Elena Greco (Lenu), e Raffaela Cerullo (Lila). A narradora é a Lenu, que se tornará uma escritora de sucesso, e o seu desejo de escrever essa história de amizade partiu de dois fatos: a vontade de Lila de desaparecer do mundo sem deixar vestígios; e a vontade de Lenu de manter a sua amiga viva.

Costumo dizer que a amizade delas é um mar de rosas cheio de espinhos. E em alguns momentos não sabemos se são amigas ou inimigas. Acredito que uma motivava o melhor e o pior da outra. Os quatro livros foram publicados no Brasil pelo selo Biblioteca Azul, da editora Globo Livros, com tradução de Maurício Santana Dias. São eles:

  1. A amiga genial (2011): 1950, Nápoles (Itália). Parte da infância e adolescência;
  2. História do novo sobrenome (2012): Juventude e início da vida adulta. Lila se casa e Lenu continua os estudos;
  3. História de quem foge e de quem fica (2013): Década de 1970. Um dos temas principais é maternidade. O livro é mais político e social. Além de fazer pensar também o que é ser mulher em um mundo machista;
  4. História da menina perdida (2014): Lenu já é uma escritora de sucesso e Lila conquistou pessoas e status onde vive. Elas estão distantes uma da outra mas acabam se reaproximando.

Listar cinco motivos para ler a Série Napolitana é apontar o que mais me atraiu nos livros e também as relações que fiz entre a ficção e a vida.
  1. Escrita sincera e honesta de Elena Ferrante

A autora não emociona com palavras bonitas e citações sublinháveis mas com situações tão reais que podemos encontrar na nossa família, bairro e cidade.

     2. Questões feministas

Através da vida de Lila e Lenu, podemos refletir sobre a condição feminina, sororidade, maternidade, violência doméstica, machismo, sexualidade feminina, casamento, família X vida profissional. E também sobre tudo o que as personagens fizeram para tentar sobreviver ao mundo machista.

    3. Nápoles

A cidade Nápoles é um pedaço da Itália do pós-guerra na série e se torna uma outra personagem importante. Assim nos faz pensar sobre bairrismo, referências e influências sociais, violência, máfia e política.

   4. Importância do acesso à educação

O acesso ao livro, leitura, educação fez diferença na vida de Lenu e Lila. A oportunidade de estudar desde a escola até a universidade afeta não só o futuro profissional, mas a autoestima de um ser humano.

   5. Personagens complexas

Além de Lenu e Lila, a série traz vários personagens e núcleos familiares complexos, passionais, ambíguos. Ou seja, humanos e reais demais.

 

Se preferir, você pode conferir o conteúdo no formato vídeo! 

Espero ter te convencido a ler! 😀

 

Espalhe “Série Napolitana – 5 motivos para ler” por aí! 😉

Os livros lidos em fevereiro/2018

Fevereiro foi o mês que tomei a decisão de pausar o Projeto Uns e Outros. Não estava curtindo a leitura e preferi utilizar meu tempo para outro livro que sabia que ia gostar mais. E deu super certo!

E ainda foi o mês que me despedi da série Napolitana, da italiana Elena Ferrante. A história de Lenu e Lila entrou para minha lista de “histórias preferidas da vida”.

LINKS CITADOS

História da menina perdida

O livro dos abraços

Os homens explicam tudo para mim

Frida. A Biografia

Dia bonito pra chover

Todo Dia

E você o que leu de bom em fevereiro? 😀

Memória: o desejo de permanecer

Nos últimos dias, alguns acontecimentos me fizeram pensar sobre esquecimento e memória afetiva. Na quarta-feira de cinzas recebi logo cedo a notícia de que alguém muito importante na minha vida e da minha família havia falecido. Na mesma hora, me veio um filme na cabeça com todos os bons momentos que essa pessoa havia proporcionado para nós. Lembrei das visitas a fazenda, da água de coco, do bolo, de sentar na varanda no final de tarde.

Minha Mãe me deu a notícia seguida de um pedido: “Ela sempre me pediu pra rezar por ela quando se fosse desse mundo. Ela não tinha filhos… Rezarei. Reze também.” Eu rezei. Ela queria ser lembrada por nós em um momento de oração, um momento íntimo com Deus, esse era o seu pedido mais importante. E apesar de ter rezado e continuar rezando, o que ficou pra mim foram nossos momentos sentadas na varanda da fazenda. Talvez essa memória afetiva também seja uma espécie de oração.

Nesse mesmo dia, resolvi continuar minha maratona do Oscar 2018 e escolhi ver a animação “Viva – A vida é uma festa”. Um filme que trata sobre o Dia dos Mortos, tradição na cultura mexicana. E ao invés de ser um dia de tristeza, é um momento de alegria, que comemora com muita cor, música e dança, a visita das almas à terra.

Miguel é um menino apaixonado por música, mas na sua casa é proibido ouvir qualquer tipo de canção devido a um trauma familiar, seu tataravô abandonou a família para correr atrás do sonho de ser um grande músico. No Dia dos Mortos, Miguel resolve enfrentar a família e ir em busca também de sua paixão. E acaba vivendo uma aventura no mundo dos mortos. É uma animação belíssima e emocionante que através dessa família nos apresenta uma cultura diferente e muito bonita.

No Dia dos Mortos, enquanto do lado dos vivos a família decora a casa e prepara um altar com fotos dos seus entes queridos, do lado dos mortos, eles esperam ansiosos para saber se foram lembrados e que assim vão poder visitar a terra. Há um desejo em comum: não ser esquecido. Eles desejam manter-se vivos na memória de quem ficou.

O título original da animação é “Coco”, o nome da bisavó de Miguel. Ela já está velhinha e sua memória está indo embora. Coco é a única que ainda lembra do seu pai, o músico que abandonou a família. E aqui o filme coloca a música como memória afetiva. Enquanto a família Rivera negava a música, fazia o mesmo com parte importante da sua história e, principalmente, com um dos seus entes queridos. Para Coco a música era o que pra mim é hoje o sentar na varanda da fazenda, a nossa maneira de manter vivo quem se foi.

O ciclo que me fez pensar sobre esquecimento e memória afetiva só teve fim na última segunda-feira quando me despedi da série Napolitana, da escritora italiana Elena Ferrante. Foi impossível não fazer ligação com tudo que estava acontecendo porque essa tetralogia fala também sobre o desejo de permanecer. O diferencial é que esse desejo não parte de quem já foi, mas de quem ficou e deseja manter vivo alguém que foi importante em sua vida.

Os quatro livros da Séria Napolitana – A amiga genialHistória do novo sobrenome, História de quem foge e de quem fica, História da Menina Perdida – são narrados por  Elena Greco e conta a história da amizade dela e de Raffaela Cerullo, a Lila. O primeiro livro começa quando Greco recebe uma ligação do filho de Lila informando que a mãe havia desaparecido. Como maneira de não fazer com que a amiga caísse no esquecimento e também com raiva, Lenu (apelido de Greco) começa a escrever a história delas, tudo o que ficou na memória. A sua maneira de manter Lila viva era através da escrita.

E no último livro, A história da Menina Perdida, nossa narradora deixa claro que o desejo de manter Lila viva era algo dela, algo tão forte, que ela acreditava que também era um desejo de sua amiga: Eu amava Lila. Queria que ela durasse. Mas queria que fosse eu a fazê-la durar. Achava que era minha missão. Estava convicta de que ela mesma, desde menina, me atribuíra essa tarefa.

A história das amigas não é um mar de rosas, ou talvez seja mas com muitos espinhos. Apesar de termos acesso apenas a tudo o que ficou na memória de Lenu, não duvidei da sua narrativa. E mesmo com tantos conflitos, ela sempre preferiu relevar o seu passado e todos que fizeram parte dele.

Nossa memória tem a capacidade de reter tudo que acontece a nossa volta. E também é o desejo que temos de permanecer vivo em alguém ou no mundo. É um bom lugar para voltar e ter boas sensações, ou até enfrentar medos e seguir em frente de uma nova maneira.

Como a própria Lenu disse sobre sua vida com Lila, “seria desperdício estragar uma história dando espaço excessivo aos maus sentimentos: os maus sentimentos são inevitáveis, mas o essencial é represá-los”. E ainda  complemento, viva, a vida é uma festa!

Caso prefira, você pode acessar o conteúdo no formato vídeo:

Espalhe “Memória: o desejo de permanecer” por aí! 😉

A Filha Perdida – Elena Ferrante

A Filha Perdida é o terceiro romance da escritora italiana Elena Ferrante. Publicado em 2006, o livro chegou ao Brasil este ano através da editora Intrínseca. Ferrante ficou conhecida por causa da sua série Napolitana – A Amiga Genial, História do Novo Sobrenome, História de quem foge e de quem fica e Storia della bambina perduta (ainda sem título no Brasil)Continue lendo

Clubes de leitura e A Amiga Genial

No dia 27 de fevereiro realizamos a 2ª edição do Leia Mulheres Salvador. O livro discutido foi A Amiga Genial, da italiana Elena Ferrante. Fui para encontro com apenas 52% da leitura feita. Fevereiro foi mais um mês agitado e não consegui ler muito. Fora que o início de A Amiga Genial não me empolgou tanto. Mas, mesmo assim, resolvi ir ao clube para conhecer o pessoal e ouvir o que tinham para falar. Apesar de ter sido inundada por spoilers sobre a leitura, eu fiquei muito contente por ter ido.Continue lendo