Baladas para violão de cinco cordas – Léo Prudêncio

(…)

agora tem chovido excessivamente ao final da tarde

é por isso que eu ouço aquelas velhas canções de roque

(dos anos 60)

e em cada acorde ouço velhas

rebeldias de jovens (hoje idosos)

Poesia é pura magia.

Assim como o poeta escritor precisa se encontrar com sua alma criadora (inspiração), o poeta leitor necessita de um momento propício para transformar o poema em poesia… Criando, assim, uma sintonia/harmonia entre os poetas. Para se deliciar da poesia é imprescindível captar a essência da alma do poeta.Continue lendo

Anelisa sangrava flores – Anderson Henrique

Anelisa sangrava flores é a estreia solo do carioca Anderson Henrique. Publicado em 2014, pela Editora Penalux, o livro reúne 13 contos de realismo fantástico, um deles dá título ao livro.

O que mais me atraiu na leitura foi a forte presença feminina nas histórias contadas por Anderson. A figura feminina é quase sempre a personagem principal, envolvida em mistérios e magia. A Anelisa, do título, quando se machuca e o sangue entra em contato com a terra, nascem gérberas. É triste e belo, ao mesmo tempo.Continue lendo