Stranger Things: sessão da tarde na Netflix

Eu sou viciada em Netflix. Meu sonho é que todas as minhas séries sejam um dia disponibilizadas no serviço. A comodidade de saber que a qualquer hora ou lugar posso ver uma boa produção é sensacional! Outro sonho é que liberem LOGO a opção de ver off-line. Aí sim vai ser 100% amor!

E já faz um tempo que as séries originais da Netflix conquistaram meu coração. A primeira paixão foi Orange is the new black, depois veio o amor louco e arrebatador com Sense8, e agora chegou aquele amor com gostinho de infância, Stranger Things.

Tudo começou em 16 de julho, após um dia de lançamento, quando boa parte da minha timeline no Twitter comentava sobre uma série maravilhosa da Netflix. E estava todo mundo feliz, louco, alucinado por esse seriado. Aliás, não foi só a galera, como também os sites de crítica de série que acompanho. De tanto falarem, resolvi incluir na minha lista. Não tinha planos de ver naquele final de semana mas as pessoas continuaram a comentar alucinadamente sobre Stranger Things e eu resolvi passar a manhã de domingo suspirando, rindo e me emocionando com a história de Will (Noah Schnapp), Dustin (Gaten Matarazzo), Mike (Finn Wolfhard), Lucas (Caleb McLaughlin) e Onze (Millie Brown).

Stranger-Things-Netflix

Talvez seja uma ideia batida. Talvez te lembre de alguns filmes do Steven Spielberg e de livros de Stephen King. Mas a ideia é justamente essa. Stranger Things conquista por nos levar para aquela década sem muita tecnologia mas com muita imaginação. E isso é tão bom!

Na série, ambientada na década de 80, na pequena cidade de Hawkings (Indiana), o garoto Will desaparece na volta para casa após mais uma partida de RPG com Mike, Lucas e Dustin. O desaparecimento é bem misterioso e toda cidade ajuda na busca do garoto. Enquanto isso os amigos de Will resolvem sair a procura dele e acabam encontrando uma garota estranha e calada, a Onze.

Com apenas oito episódios (todos já disponíveis na Netflix), a série criada pelos irmãos Duffer, prende do início ao fim. Temos uma trilha sonora maravilhosa e todo o elenco é sensacional. Com destaque para a atriz Winona Ryder, no papel da mãe de Will. A atuação dessa mulher é tão maravilhosa, tão real, que quando ela aparece na tela é impossível não enlouquecer por alguns segundos (rs).

Outro personagem que amei é o irmão mais velho de Will, o Jonathan Byers (Charlie Heaton), considerado o estranho da escola, sempre calado e que ama fotografia, porque acredita que através dela consegue captar o verdadeiro eu das pessoas (isso não é muito amor?!). E é dele com Will uma das cenas mais fofas da série. Gosto também do delegado Hooper e uma das minhas frases favoritas veio dele: manhãs são pra café e contemplação.

Classifico Stranger Things como terror/suspense científico dos bons. Vai ter conspiração, mundo paralelo (ou invertido), experimentos científicos, seres de outro mundo, crianças espertas usando a imaginação e amizade como armas para combater o mal e o medo. Eu já vi a série duas vezes e se você ainda não viu, clica logo aqui e boa sessão da tarde na Netflix!

 

BEDA2016