O que não existe mais – Krishna Monteiro

O que não existe mais é a estreia na literatura do cônsul adjunto do Brasil em Londres, Krishna Monteiro, publicado pela editora Tordesilhas. O livro reúne sete contos e alguns me passaram a impressão de serem experiências de vida do autor ou de pessoas do seu convívio. São eles: O que não existe mais; As encruzilhadas do doutor Rosa; Quando dormires, cantarei; Um âmbito cerrado como um sonho; Monte Castelo; O sudário; e Alma em corpo atravessada.

Todos os contos passam por temas como ausência, perdas, lembranças, solidão. Temas tocantes e tristes mas que possuem uma certa beleza. A leitura não é fácil, demanda atenção nos detalhes, principalmente por conta da escrita do autor que considero um pouco mais rebuscada. Tanto que tentei ler uma vez quando estava no ônibus, meio agoniada com a vida, e não deu certo. Entendi que não era o momento. Deixei o livro um pouco de lado. Algumas semanas depois, peguei novamente para ler e tive pensamentos como: nossa, eu li isso da outra vez? Que bonito!

Dois contos me chamaram atenção, o que dá nome ao livro O que não existe mais (é o meu favorito)  e Um âmbito cerrado como um sonho. Falando logo desse segundo, a ideia de um gato narrando os últimos momentos de vida de sua dona é muito interessante. Imaginei cada momento, cada detalhe, tudo isso por conta do seu cuidado com a ambientação e descrição.

E o conto O que não existe mais é a história de um filho que perdeu o pai mas a sua presença continua viva em cada canto da casa e isso persegue o rapaz a todo momento. Um texto bonito que mistura sonho, realidade, e que me fez lembrar de uma frase – o tipo de brincadeira com um super fundo de verdade – que minha família costuma falar: não há como escapar da genética. Assim como dificilmente vamos escapar das lembranças. Será que realmente algo ou alguém deixa de existir?

Não sei porquê, ou talvez saiba e estou fingindo a existência desse saber, lembrei de uma música da banda O Teatro Mágico, O anjo mais velho. Tem um trecho que diz assim: “E tua ausência fazendo silêncio em todo lugar”. Às vezes a ausência e o silêncio fazem mais presença e barulho. Assim como o que não existe mais pode se tornar mais significativo do que aquilo que existe.

Notas da blogueira:
– Já falei que é não é um livro fácil. Indico uma leitura atenta.
– Acredito que seja interessante para quem gosta de uma escrita rebuscada e temas não tão felizes assim. 😉
– Deseja adquirir o livro? Comprando por esse link você estará contribuindo com o meu trabalho no blog/canal
– No mais, leia brasileiros! Sempre!

Você pode gostar também de

Comentários 2

  • VANESSA BRUNT

    23 de junho de 2016

    Responder

    Je, vem aqui e me dá ‘aquele’ abraço! SURTEI com esse livro e já quero para ontem! Senti um peso metafórico, reflexivo e até meio crítico nele só pela sua resenha (maravilhosa, inclusive, como sempre). Esse conto do gato relatando o fim da vida do dono me deixou enlouquecida aqui. Deve ser tão sensacional! Adorei a indicação e cada detalhamento meticuloso emitido.

    http://WWW.SEMQUASES.COM

    • Jeniffer Geraldine

      24 de junho de 2016

      Responder

      Sim! Tem esse peso mesmo. Então acho que você pode gostar.
      Beijos <3

Deixe uma resposta