o prazer das coisas

começou quando resolvi arrumar os commonplace books na estante.
lembrei que tinha separado alguns no armário depois da última faxina.

tinha um de 2018. achei que era o primeiro. mas o primeiro é de 2016.

enquanto arrumava, revi as anotações, fiz uma viagem no tempo. cheguei a uma breve conclusão:

eu às vezes fico nessa de vou usar tudo no digital. mas a real é que amo caderno.
e você pegar uns cadernos antigos, folhear e relembrar o que escreveu em julho de 2016! putx… muito massa! 🥰

então o João Ulisses me responde falando de Foucault, escrita de si e “como no avanço de informações, perdemos esse exercício de escrita como algo prazeroso/ como cuidado mesmo”.

Concordei. Perdemos demais. Ficamos tão ligados em praticidade que estamos deixando algumas coisas de lado. Por aqui tenho cada vez mais buscado me concentrar no prazer das coisas e não apenas na praticidade.

Disse para ele que ia anotar isso. Anotei.
E compartilhei.

Espalhe por aí:

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *