Morte no Nilo (Agatha Christie)

Em janeiro, lancei com alguns amigos o projeto de leitura coletiva #LendoSuspense2022. A proposta é ler livros do gênero suspense com periodicidade bimestral.

A primeira leitura foi “Morte no Nilo”, de Agatha Christie, a Rainha do Crime. O motivo da escolha estava relacionado a nova adaptação que o romance ganhou para o cinema, em 2022, com a atriz Gal Gadot. 

“Morte no Nilo” foi publicado em 1937 e é o 30º romance escrito por Agatha Christie. O livro foi inspirado em uma das viagens da autora pelo Oriente com o segundo marido, o arqueólogo Max Mallowan.

Na obra temos a participação do famoso personagem detetive Hercule Poirot que está de férias em um cruzeiro luxuoso com mais alguns personagens curiosos criados por Agatha. Mas a tranquilidade e elegância logo se transformam em confusão e mistério. Linnet Doyle, uma jovem rica e recém-casada, é assassinada dentro da sua cabine. Na mesma noite, aconteceu também uma confusão no salão do navio envolvendo uma arma, o amado de Linnet, Simon Doyle, e a ex-melhor amiga, Jacqueline de Bellefort.

Agatha criou um clima em que, pelo menos, dez personagens são envolvidos de alguma maneira no acontecimento principal. E muitos deles possuem um motivo plausível para cometer o assassinato.

Considero “Morte no Nilo” uma leitura envolvente para um dia sem compromissos. Já que você começa e só quer largar o livro quando descobrir, junto com o detetive, porque aquelas pessoas estão no cruzeiro e as possíveis ligações com a Linnet. É para fazer apostas e entrar em um labirinto de suposições. Eu saí satisfeita com algum dinheirinho no bolso e um pouco chocada.

Classificação: 3 ⭐️ (bom)

Editora: Harper Collins

Tradução: Érico Assis

Livro na Amazon: Morte no Nilo


Veja a live bate-papo sobre Morte no Nilo com participação do Luke – @umcafecomluke:

Espalhe por aí:

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

2 comentários em “Morte no Nilo (Agatha Christie)

  1. Esse livro da Agatha é muito legal, consegue prender a gente e, mesmo com tantas mortes, a leitura permanece leve e envolvente e descontraída.