Metrô Poesia

Passei alguns anos da minha vida digital no Tumblr. Adorava aquele espaço onde tudo era/é poético, bonito, inspirador. E foi lá que encontrei uma frase do Manoel de Barros que mudou minha vida, sem exagero, e me tornou fã do poeta. O trecho era do poema As lições de R. Q. que diz assim:

O olho vê, a lembrança revê, e a imaginação transvê.
É preciso transver o mundo.

A gente sabe que ser objetivo ajuda a vida a seguir um rumo. Mas, às vezes, não cansa ver tudo do jeito que é?

Há situações na vida em que é preciso ter objetividade. Sentar, encarar o problema, refletir, chegar a uma solução, encontrar um novo caminho. Mas há outros tantos momentos em que é preciso apenas respirar e aceitar que não podemos fazer nada no momento. E seguir adiante. Não remoer as situações ruins. Não confrontar o que está fora do nosso controle.

Não sou responsável pelo engarrafamento, pelo ônibus lotado, pela crise no país. Isso tudo afeta minha vida. Sim, claro. Mas eu vou me chatear todos os dias por isso? Não. Eu vou ler um livro, ouvir uma boa música, pensar no almoço, naquele meu amigo maluco que aprontou horrores na última festa e me contou histórias engraçadas na noite anterior. Farei planos para o mestrado. Vou lembrar da comida minha Vó e da resenhas da família. Inventarei uma vida para quem sentou do meu lado no metrô, vou tentar ver o que o cara da frente está lendo. Vou olhar pela janela as casinhas coloridas e a estranha beleza da cidade.

Vou transver o mundo para deixá-lo mais amigável naquele momento em que eu não posso fazer nada. Que culpa tenho eu se aprendi a ver poesia em tudo?

Bater de frente com o mundo é certeza de olho roxo todo dia. A gente até dá a cara pra bater algumas vezes, né? Mas todo dia não. Sinto muito.

+ sobre o blog:

10 Comentários

  1. Ahhh que delícia de post!!
    Poesia é algo que realmente deixa a vida mais leve. E boa indicação =D

  2. Que delícia de postagem! Super me enxerguei em cada pedacinho, Jen! Enxergar além do literal, enxergar além, observar com a inteligência das sensações e do que poderia ser dito como “impossível”… isso que nos leva para uma vida intensa e com sentidos reais.

    http://WWW.SEMQUASES.COM

    • Jeniffer Geraldine Reply

      Isso mesmo, Vanessa!
      Fico feliz com seu comentário por aqui.
      Beijos!

  3. Ahh, Jen! *—* Que coisa linda esse texto!
    Tão curto, mas tão grande!
    Eu me identifiquei um pouco no sentido de que me estresso mesmo, xingo mesmo, às vezes parece que quero transformar o universo ao meu redor.
    Sou bem estressadinho, viu – embora muita gente não acredita quando digo. Mas realmente não tem coisa melhor do que ir além, ver mais além ou criar um mundo imaginário nesses momentos duros do cotidiano, né?
    Esse texto me fez lembrar de “O passageiro do Fim do dia”, de Rubens Figueiredo. Se ainda não leu, leia. <3
    Amei isso:
    "Vou transver o mundo para deixá-lo mais amigável naquele momento em que eu não posso fazer nada. Que culpa tenho eu se aprendi a ver poesia em tudo?"

    Bjux, lindona.
    Diego, Blog Vida & Letras
    http://www.blogvidaeletras.blogspot.com

    • Jeniffer Geraldine Reply

      hahaha você não parece uma pessoa estressada.
      Não li mas vou procurar para ler. Valeu a dica!
      E vamos ver mais poesia! 😉
      beijos, amore! <3

  4. Pingback: Coisas boas da vida #2

  5. Pingback: Rolé em Salvador

Deixe um comentário:

Navigate