Me indica aí #2 – Escritoras negras (não ficção)

Me indica aí #2 – Escritoras negras (não ficção)

Duas das minhas últimas leituras foram livros de não ficção escritos por mulheres negras: “Mulheres, raça e classe”, da norte-americana Angela Davis, e “Quarto de Despejo”, da brasileira Carolina Maria de Jesus.

Ouça esse conteúdo:

“Mulheres, raça e classe” foi publicado pela primeira vez em 1981 e chegou ao Brasil, em 2016, pela Editora Boitempo com tradução de Heci Regina Candiani.

Angela Davis faz uma análise crítica da história dos Estados Unidos a partir da perspectiva do povo negro, mais especificamente das mulheres negras. A autora escancara toda a construção de uma sociedade com base no racismo, sexismo, e elitismo a favor do capitalismo monopolista branco e masculino.

Cada capítulo é uma aula. E em cada aula vamos descobrindo personalidades importantes que lutaram contra essas opressões múltiplas ao longo dos anos. Pessoas que sofreram diversos tipos de violência por defenderem o ideal de uma sociedade igualitária. Angela também expõe os lados racista e classicista que o movimento pela emancipação feminina tinha logo que começou nos Estados Unidos.

Um livro essencial para entender as dinâmicas opressoras do sistema capitalista ao longo dos anos e a importância de se pensar, criticar e combater essas dinâmicas que até hoje se fazem presentes.

Se Angela Davis, com linguagem mais acadêmica e embasamento teórico, fala sobre a mulher e as opressões de gênero, raça e classe no contexto norte-americano, a brasileira Carolina Maria de Jesus, durante a década de 1950, escreveu em seu diário sobre ser mulher, negra e favelada no Brasil.

“Quarto de despejo – Diário de uma favelada” foi publicado em 1992 e traz testemunhos da vida sofrida que a escritora levava na favela do Canindé, em São Paulo, com seus três filhos. Carolina era catadora de papel e todo dia era encarado como uma luta pela sobrevivência.

Os livros e a escrita eram as companhias de Carolina. Encontramos nos registros da autora reflexões sobre temas como desigualdades sociais, racismo, política, relacionamentos, violências e educação. O mundo era cruel e ela respondia criticamente com educação e sensibilidade. Escrever era uma fuga da fome e da miséria da vida na favela.

“Quando eu não tinha nada o que comer, em vez de xingar eu escrevia. Tem pessoas que, quando estão nervosas, xingam ou pensam na morte como solução. Eu escrevia o meu diário.”

“Quarto de despejo”  é uma ruptura na cultura e na narrativa hegemônica branca elitista que ditam o que é literatura. Uma obra escrita com base na oralidade e que coloca a mulher negra catadora de papel não como personagem de um livro sobre a favela, mas como narradora-protagonista. Dessa forma, Carolina afirma a sua existência e potência de simbolização do mundo.

Conteúdo em vídeo:

 

Publicado porJeniffer Geraldine

Jornalista. Uma leitora apaixonada por arte, cultura e a vida.

2 Comentários

  • Jacimar

    11/03/2019 at 13:18 Responder

    Ola. Indico: Carla Akotirene, Djamila Ribeiro, Chimamanda Adiche e Livia Natalia.

    • Jeniffer Geraldine

      13/03/2019 at 18:05 Responder

      Todas maravilhosas. Obrigada, Jacimar.
      bjão

Deixe um comentário:

%d blogueiros gostam disto: