Posts em Literatura

Batman – O longo Dia das Bruxas

Super Detetives no Subindo no Telhado? Nada melhor do que falar de um dos maiores, o Batman. Sim, o Morcegão é um baita detetive e diversas histórias ao longo dos seus 75 anos de existência estão aí para comprovar. Pra tentar te convencer, escolhi um arco clássico do Morcego, originalmente lançado em 1996/97 nos EUA, O longo Dia das Bruxas, que é roteirizado por Jeph Loeb e conta com a arte de Tim Sale. No Brasil, a Panini relançou a HQ (esgotada há tempos) este ano.

A obra foi lançada originalmente em 13 partes e posteriormente publicada em forma de encadernado. Escolhi essa história em especial por ter uma clássica abordagem investigativa. A trama se passa numa Gotham dominada pelo crime e controlada pelas famílias de mafiosos, que têm nas mãos diversas autoridades. Carmine Romano Falcone e Salvatore Maroni chefiam as principais famílias que no decorrer da história se confrontam pelo controle de Gotham. Enquanto Batman, o até então Capitão Gordon e o promotor público Harvey Dent se unem para transformar a cidade, um misterioso assassino batizado de Feriado inicia uma série de crimes que vai mexer com a vida de todos na metrópole. Me pareceu, com seu estilo noir, que O longo dia das bruxas se inspirou na saga da família Corleone, dos filmes O poderoso chefão. E este clima permeia toda a trama. Leia mais

Os maiores detetives do mundo

“Quem matou?” – tem gente que resume o gênero policial a essa pergunta. Mas todo verdadeiro fã sabe que a resposta para essa pergunta é só um detalhe diante do todo o suspense, mistério e investigação.

O que me motiva a consumir uma produção policial é o mistério, a construção e desconstrução de teorias, o caminho percorrido até descobrir quem matou. Existe um quebra-cabeça e precisamos juntar todas as peças. É também como se estivéssemos em um labirinto em busca de uma saída e quem está ao nosso lado é uma figura esperta, inteligente e quase sempre excêntrica, o detetive. Leia mais

Meus documentos

No vídeo abaixo comento sobre o novo livro de contos do chileno Alejandro Zambra, publicado no Brasil pela Cosac Naify, com tradução de Miguel Del Castillo. Zambra teve mais três outros livros publicados pela Cosac: Bonsai, A vida privada das árvores e Formas de voltar para casa.

Confira:

Leia mais

Reze pelas mulheres roubadas – Jennifer Clement

Olá, amigos. Esta semana em particular, na qual o Subindo no Telhado aborda aspectos culturais da América Latina, senti uma certa dificuldade em escolher o livro a ser “resenhado”, e não pelo motivo óbvio, não gostar ou ter lido pouco sobre, mas exatamente o contrário, ter lido muita coisa boa e amar a literatura latino-americana. Sendo assim, optei por Reze pelas mulheres roubadas, escrito pela jornalista mexicana Jennifer Clement e lançado pela editora Rocco este ano.

A obra aborda, basicamente, a dura realidade enfrentada pelas mulheres mexicanas desde a infância até a idade adulta, em algumas localidades. A partir de diversas entrevistas com mulheres das regiões mais violentas do México a autora constrói a trama, que mexe com a gente do início ao fim. As primeiras páginas do livro são tão chocantes que parecem absurdas. O que dizer da primeira frase do livro: “Agora vamos deixar você feia, minha mãe disse”. Leia mais

Maus – Art Spiegelman

A palavra alemã Maus significa rato. Quando reli o quadrinho, publicado no Brasil pela Companhia das Letras em 2005, para escrever esta resenha não consegui tirar da cabeça uma propaganda nazista, divulgada na Alemanha durante a ascensão do Nazismo, que mostra um celeiro infestado de ratos e como solução para o controle da praga um recipiente com veneno; em seguida surgem na cena diversos judeus, aparentemente ricos, e a pergunta: como exterminamos uma praga? A resposta: um tubo de gás, o mesmo que mataria milhões de judeus durante a 2ª Guerra Mundial. A obra, premiada com um Pulitzer, narra a vida de Vladek Spiegelman, pai do autor Art Spiegelman, durante os piores momentos da política antissemita na Alemanha e nos países ocupados durante a Guerra. No quadrinho, os personagens são retratados como animais: os americanos são cachorros, os poloneses porcos, os nazistas gatos e os judeus ratos. Leia mais

O diário de Anne Frank

Anne Frank nasceu em 12 de junho de 1929 e morreu no campo de concentração Bergen-Belsen, aos 15 anos, vítima do nazismo.

Seu diário emociona até hoje pessoas no mundo inteiro e relata os anos que viveu junto com sua família no Anexo Secreto, sótão de uma casa em Amsterdã, para fugir dos alemães. A casa hoje é o museu Anne Frank House e faz parte do Programa Memória do Mundo da UNESCO. Leia mais

Azul é a cor mais quente – Julie Maroh

Olá, amigos. O amor está no ar aqui no Subindo no Telhado e nada melhor do que apresentar um pouquinho da bela história de amor entre as jovens Clémentine e Emma, nesta excelente HQ que é Azul é a cor mais quente (Martins Fontes, 2013), da francesa Julie Maroh. Tomei conhecimento da obra em 2013 após a adaptação para o cinema, Blue is the warmest color, ganhar o Palma de Ouro, no Festival de Cannes,  e optei por ler o quadrinho primeiro. E que leitura fantástica realizei em janeiro deste ano. Após uma releitura para escrever esta resenha percebo que todos os elogios à história são merecidíssimos. A obra é excelente, desde o roteiro até a arte, e é uma das melhores hqs que li este ano. Não leu ainda? Bora tentar te convencer então … rs! Leia mais

Três livros fofos para o dia dos namorados

“Aquele livro é tão fofo. Dá vontade de sair abraçando os personagens!”.

Você já ouviu isso de alguém que terminou de ler algum livro? Eu já e é exatamente com essa frase que começo a publicação de hoje, para o SNT #2 “O amor está no ar!”, sobre três livros fofos para você ler, se apaixonar e ter essa vontade louca, ao terminar a leitura, de abraçar os personagens.

Mas antes de começar, preciso dizer que os livros são infantojuvenil, ou seja, são livros para adolescentes. Mas antes de qualquer julgamento, preciso ressaltar que são livros ótimos. A leitura de John Green e David Levithan é tão leve, fácil e atrativa, que não tem como você não se envolver com a história. E para quem nunca leu nenhum livro desses dois autores, leia um desses três da lista. Tenho certeza que vai adorar! Leia mais

Um amor extra forte, por favor

Desde o princípio, a vida se transforma conforme a incidência de luz; as pessoas, com a chegada de outras. Uma chegada é um enigma.

A condição indestrutível de ter sido (Helena Terra)

Na literatura temos autores especialistas em romances românticos, nos quais os personagens passam por alguns conflitos, mas no final eles vão viver o “feliz para sempre”, um exemplo é o autor Nicholas Sparks, sucesso de vendas. Entendo até o motivo do sucesso, afinal um pouco de esperança faz bem.

Mas em contrapartida ao amor romântico, alguns autores preferem histórias mais reais, com separações, desilusões, perdas, conflitos. E como disse o professor Schianberg, personagem do livro de Marçal Aquino, alguns amores podem nos levar à ruína, ou seja, nem sempre teremos o final feliz como esperado. Leia mais