Leia o que quiser

Comecei a ler o livro Para ler como um escritor – um guia para quem gosta de livros e para quem quer escreve-los (Editora Zahar), da Francine Prose. É uma obra interessante que vai falar, principalmente, sobre como podemos fazer uma leitura mais atenta.

Mas antes de chegar às palavras e ensinamentos da Francine, encontramos a apresentação feita pelo crítico e escritor Italo Moriconi. E uma citação dele me chamou atenção:
Todas as entradas para a literatura são válidas. O que importa é entrar.
Eu vou repetir: Todas as entradas para a literatura são válidas. O que importa é entrar.
TODAS!

De autoajuda aos clássicos.
Das autobiografias de webcelebridades até os super premiados pelas academias e prêmios literários.
Do livro que está no wattpad ao que foi publicado pela maior editora do país.
Do que está apenas no formato digital ao que foi impresso no melhor papel, tem as mais belas ilustrações e uma capa dura para deixar a estante mais bonita.

A literatura é plural porque quem a faz e quem a consome também é plural.
E não cabe a ninguém julgar a leitura alheia.
Até porque nessa vida cada pessoa tem as suas próprias motivações.

Tem gente que lê por entretenimento. Tem gente que lê para adquirir conhecimento. Tem gente que lê pelos dois motivos. E, olha só, tem até gente que não lê. Infelizmente.

Mas assim como em qualquer coisa na vida, na literatura/leitura não é diferente: precisamos respeitar o gosto alheio, a opinião alheia, o modo de viver e também o modo de ler do outro.

Como disse o Italo, nisso tudo o que vale mesmo é entrar. Entrar, ler, se sentir bem e compartilhar histórias. Toda literatura é válida. Toda leitura é válida. Todo livro é válido. E você pode ler o que quiser.

Boa leitura!

Espalhe “Leia o que quiser” por aí! 😉 

3 Comentários

    • Jeniffer Geraldine Reply

      O livro é bom! Vale a pena ter.
      bjão

  1. Pingback: O mundo precisa da sua poesia

Deixe um comentário:

Navigate