A Filha Perdida – Elena Ferrante

A Filha Perdida é o terceiro romance da escritora italiana Elena Ferrante. Publicado em 2006, o livro chegou ao Brasil este ano através da editora Intrínseca. Ferrante ficou conhecida por causa da sua série Napolitana – A Amiga Genial, História do Novo Sobrenome, História de quem foge e de quem fica e Storia della bambina perduta (ainda sem título no Brasil)

O motivo do seu sucesso deve-se a sua escrita seca, dura, sem muitos rodeios e que nos leva a refletir sobre temas importantes como o papel da mulher, violência doméstica, sociedade patriarcal e feminismo. Mas também os holofotes literários viraram para autora porque ninguém sabe realmente quem ela é. Ferrante dá entrevistas apenas por e-mails e não há fotos em lugar algum da autora. O seu anonimato, em tempos em que tudo está a um clique, incomoda algumas pessoas. Levando até a uma investigação, ou melhor invasão de privacidade, da vida de pessoas que supostamente podem ser ou estão ligadas à autora (Leia depois: Suposta revelação da identidade da autora causa polêmica).

Pouco me importa o rosto de Elena. O que me importa mesmo é a sua literatura tão necessária nos dias hoje. Porque seus livros, sejam eles autoficção ou não, trazem temas que precisam ser discutidos com certa urgência.

untitledEm A Filha Perdida o tema central é a maternidade não romantizada. Todos acham que a mulher nasceu para ser mãe e todas serão tocadas pelo instinto materno divino, em alguma momento da vida. E quando uma mulher não quer assumir esse papel ou não é o modelo ideal imposto pela sociedade vários dedos julgadores são apontados para ela.

Leda, a protagonista e narradora de A Filha Perdida, é professora universitária, tem 47 anos, é mãe de duas filhas jovens que decidem morar com o pai, no Canadá. Após essa decisão, Leda se sente livre e rejuvenescida e resolve tirar férias na praia, algo que ela não fazia há algum tempo.

Na praia, Leda começou a perceber a presença de uma jovem mãe, Nina, e sua filha, Elena, que faziam parte de uma família grande e barulhenta, mas que se sobressaíam por sempre estarem juntas, serenas, longe dos parentes, brincando de boneca na beira do mar. A professora começa a observar o comportamento da mãe e filha e fazer pré-julgamentos. Pensa até que é tudo uma encenação de Nina e, em alguns momentos, se incomoda com as brincadeiras e presença das duas, em outros, sente inveja.

Enquanto observa e analisa Nina e Elena, Leda vai nos contando fatos do seu passado. A família barulhenta de Napolitanos a irritava porque lembrava a sua própria família. E ao lembrar dos seus parentes, a figura ambígua, autoritária e triste da sua mãe aparecia nas suas lembranças, principalmente como alguém que ela nunca admirou na vida. Tudo que Leda sempre quis foi ser diferente da mãe que teve.

Os problemas com sua mãe, marido e filhas vêm à tona e conhecemos uma mulher que durante quase toda vida questionou o que era ser mãe. A Filha Perdida é um livro que através de Leda questiona esse papel da mulher e fala também sobre como na vida a gente busca alguém para se espelhar, seja para ser igual ou totalmente diferente. Elena Ferrante escreveu um romance curto, mas carregado de significados, que vai fazer a gente repensar julgamentos e escolhas.

Gosta de resenha em vídeo? No YouTube também falei sobre A Filha Perdida. Veja abaixo e clique aqui para se inscrever no canal!

Gostou do livro e deseja adquirir? Comprando por esse link, você colabora com meu blog. 😉

8 Comentários

  1. Concordo plenamente com você, pouco importa saber a verdadeira identidade de Elena Ferrante. O que mais interessa são suas obras maravilhosas. Estou com esse livro na estante, entre outros que aguardam para serem lidos. Pretendo lê-lo ainda este ano.

    Tatiana

    • Jeniffer Geraldine Reply

      Olá, Tatiana. O povo quer saber de tudo, né? Vamos aproveitar as obras dela que é o melhor!
      Boas leituras. Bjão!

  2. Oi, já tinha visto fotos do livro por aí mas nunca lido resenha… gostei muito da tua, da pra ter uma boa ideia da história e da importância do livro, fiquei bem curiosa :*

    • Jeniffer Geraldine Reply

      Obrigada, Mônica. Fiquei feliz em saber que minha resenha despertou o seu interesse em ler o livro.
      Espero que leia e goste.
      Bjão!

  3. Thamiris Alves Reply

    Oi Jen, parece que descobriram né quem ela é. Olha essa autora entrou para a lista porque estou muito curiosa!!! Sua resenha e outras que vi já me conquistaram. bjoos

    • Jeniffer Geraldine Reply

      Não deram certeza mas fizeram uma super investigação rs
      Leia. Acho que vai gostar! Bjão

Deixe um comentário:

Navigate