Experimentos para uma vida digital mais saudável

No livro Como viver na era digital, o autor britânico Tom Chatfield compartilha quais são os critérios que ele utiliza para avaliar a experiência no digital. Antes de apresentar os critérios, o escritor traz uma premissa interessante de que a criação de experiências humanas a partir da tecnologia deve valer muito mais do que o dispositivo que utilizamos. Não é sobre ter o celular de última geração, mas o que fazemos com ele principalmente levando em consideração a partilha de experiência e a criação de boas conexões e novos aprendizados.

Com esse princípio de criar boas experiências humanas, Chatfield transfere para o digital a mesma proposta de qualquer outra experiência e interação social. Vou listar a seguir:

  • A quantidade de esforço aplicado para aprender e comunicar;
  • O nível emocional de envolvimento ao se conectar com outras pessoas;
  • O nível de contribuição que as interações trazem para as outras áreas da vida.

Esses critérios chamaram minha atenção porque nos últimos tempos tenho buscado criar uma timeline mais saudável para mim. Na verdade, não apenas uma timeline saudável, mas uma relação saudável com a internet de modo geral. Na “vida offline” eu sou uma pessoa bastante seletiva. E os princípios do Tom me ajudaram a reforçar a ideia de ser seletiva também no digital. Para explicar o “seletiva”, vou usar uma expressão que gosto muito e uso bastante: “só saio de casa a negócio”. Talvez a expressão não tenha sido a melhor porque sinto que tenho de explicar o “negócio”. Saio de casa com um objetivo definido – resolver coisas, visitar uma amiga (não curto visitas surpresas), comprar itens específicos de uma lista, etc. É nessa pegada! Talvez os introvertidos me entendam. 

Eu também poderia usar em vez de seletiva, essencialista e trazer um outro autor que gosto muito, Greg MckEown. Algumas das características de um essencialista que podem ser aplicadas no digital são: segue um propósito; escolhe ativamente; não é refém da reatividade; diferencia o vital do trivial; sabe eliminar o que considera não essencial; sabe remover obstáculos que atrapalham o foco no essencial. 

Sendo assim, posso aplicar esses princípios do Tom e os do Essencialismo na “vida digital”. Houve um tempo que eu tinha receio de usar o unfollow e o silenciar. De início não sabia os motivos, mas depois percebi que era aquela sensação de “se usar o unfollow ou o silenciar posso perder algo muito importante, posso ficar de fora”. Até que percebi que não utilizar essas funções estava deixando a minha timeline chata, pouco atrativa, e até mesmo com uma boa dose de ansiedade e angústia. 

Foi assim que deletei um perfil antigo no Twitter. E apesar de ter voltado para a rede social, uso muito pouco para notas e desabafos da vida (risos) e abro o aplicativo com foco, principalmente, em verificar os trending topics (tópicos de tendência). O passeio que faço pela timeline do Twitter é bem limitado porque a dinâmica da rede hoje faz com os assuntos sejam repetidos em um nível que considero exausto e, trazendo novamente o Tom, essa repetição não contribui em nada com meu aprendizado e também em outras áreas da vida. 

Com a proposta de tornar a minha experiência digital mais agradável e saudável, também passei a me informar através de mídias lentas como sites, blogs e newsletter. Sigo alguns especialistas e principais veículos de comunicação e sempre quando quero verificar alguma notícia fecho o Instagram ou Twitter eu vou dar uma olhada no Feedly

Voltei a assistir, de vez em quando, aos jornais locais pela TV. Uma olhadinha na hora do café, outra no almoço e uma de noite. Na verdade, é mais ouvir do que ver. Aproveito o momento de preparo do café ou almoço e também a limpeza da cozinha. Acredito que assim posso me informar com mais assertividade sobre as notícias locais. 

Hoje o Instagram é o calo no pé de muita gente. Por aqui também é. Mas busquei limitar o acesso durante o dia. O que me fez novamente ter um propósito de uso para a rede social. O Insta faz parte do meu trabalho. Mas não é a principal ferramenta dele. Foi importante entender e aplicar isso. Gosto também de seguir pessoas por lá que me acrescentam de alguma maneira através de seus relatos pessoais, sem a pretensão de serem influenciadores, e também especialistas e influencers que comentam sobre os assuntos que tenho interesse. 

Acredito que todos esses pequenos experimentos para uma vida digital mais saudável estão me ajudando. Não é algo fácil e simples. É até uma questão de educação e de também ir um pouco contra a onda do momento. Tento não criar uma bolha, mas também não faço da minha timeline um campo minado, por isso passei a silenciar, remover e dar unfollow.


Mais sobre os livros citados:

Comentário sobre Como viver na era digital no diário cult – leituras

Livro Como viver na era digital na Amazon

Post: Essencialismo | “Menos porém melhor”

Livro Essencialismo na Amazon


Espalhe por aí:

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Um comentário em “Experimentos para uma vida digital mais saudável

  1. Pingback: Ações para uma vida digital mais saudável - Jeniffer Geraldine