Skip to content →

Categoria: Editorial

Quero te contar das coisas que aprendi nos discos e o que eu vivi

Já faz tempo que estou com a música Como nossos Pais na cabeça. Eternizada na voz de Elis Regina, a canção composta por Belchior marcou uma geração e ainda faz sentido para muita gente. Eu amo demais.

Como nossos pais me faz pensar sobre muitas questões da vida, mas nos últimos dias ela tem me feito pensar sobre a minha versão produtora de conteúdo para internet. Pois é, loucura da minha cabeça fazer ligação entre uma música e o blog/canal. Ou não tão loucura assim.

2 comentários

[SNT #7] Hey, Kids!

Para as crianças, o dia 12 é uma data para se divertir e ganhar presentes. Para as crianças crescidas, a data é meio nostálgica. É o momento para relembrar as histórias da infância, os brinquedos favoritos, ri das fotos nos álbuns da família – e mostrar toda fofura que você foi nas redes sociais – e também relembrar os livros que nos tornaram leitores, as séries e os filmes que marcaram uma época. Nossa, impossível esquecer de todos os filmes de Esqueceram de Mim, de todos os gibis da turma da Mônica, das séries Felicity e Veronica Mars, da novela Malhação e todos os filmes da Sessão da Tarde, da Rede Globo #SaudadesAnos90.

Deixe um comentário

[SNT #6] Livros & Filmes

Quem nunca disse coisas do tipo: “o livro é muito melhor que o filme”, “nossa, acabaram com o personagem no filme”, “o filme é bom, mas leia o livro”? A gente não perde a mania de comparar livros e filmes. Mas muita gente esquece que quando um livro (texto) é traduzido para a linguagem cinematográfica, ele precisa se adequar às características daquela linguagem e isso envolve estética, roteiro, financiamento… [Dá um google em tradução intersemiótica para entender um pouco mais. Prometo que volto para falar melhor sobre o tema! 😉 ]

Eu sou apaixonada por livros e filmes. Há livros que quando termino a leitura,  fico pensando que daria um excelente filme. E fico super feliz quando um livro preferido vai para as telas. Confesso que gosto sempre de ler antes de ver, mas há algumas narrativas que eu fiquei satisfeita apenas em assistir, como exemplos: a trilogia Jogos Vorazes, Senhor dos Anéis, Harry Potter e, para falar também de séries, Guerra dos Tronos. Me recusei a ler 50 tons de cinza, mas fui conferir no cinema e #confessoque não achei tão ruim assim.

Deixe um comentário

[SNT #5] Super Detetives

Para começar a falar sobre detetives é importante mencionar o escritor, poeta e crítico literário Edgar Allan Poe, considerado o criador do gênero ficção policial. Em 1841, Poe escreveu o conto “Os assassinatos na Rua Morgue”, em que conhecemos o primeiro detetive da ficção, C. Auguste Dupin. Além desse conto, Dupin aparece em apenas mais 2: “Mistério de Marie Rogêt” e “A carta roubada”.

Depois de Dupin muitos outros detetives surgiram em livros, filmes, séries e quadrinhos pelo mundo inteiro. O mais famoso deles, Sherlock Holmes, foi criado pelo médico Sir Arthur Conan Doyle. Sir Arthur formou-se em medicina em 1885 e praticou o ofício até 1891. Também em 1885 começou sua carreira de escritor e dois anos depois, em 1887, publicou na revista Beeton’s Christmas Annual o Um estudo em vermelho, o primeiro romance com o detetive Sherlock Holmes e seu parceiro, Dr. Watson.

2 comentários

[SNT #4] Los vecinos

Certa vez um amigo me indicou o filme Medianeras. Disse que era uma produção argentina excelente e que eu iria gostar. Ele estava certo. De início, confesso, achei bem estranho o sotaque. Mas fiquei envolvida pelo enredo e acabei achando tudo maravilhoso e até um pouco familiar. A partir daí comecei a prestar mais atenção nos filmes argentinos e descobri que Ricardo Darín era o ator mais popular da Argentina e que fazia as mulheres suspirarem pelas bandas de lá. E logo depois me peguei suspirando por ele no filme El mismo amor, la misma lluvia.

Pronto! Estava envolvida pelo cinema argentino e curiosa para descobrir mais produções dos nossos vizinhos. Foi quando o chileno Alejandro Zambra apareceu no Brasil com seus livros Bonsai, A vida privada das árvores e Formas de voltar para casa (todos publicados pela Cosac Naify). Li Bonsai e nossa, que maravilha! Me apaixonei pelo Zambra. Li Bonsai duas vezes seguidas. Muito amor, gente! E ainda tem o Mario Vargas Llosa e seu Travessuras da Menina Má, um dos meus livros favoritos da vida. Nossos vizinhos são maravilhosos e, futebol à parte, vale super a pena apreciar.

3 comentários

[SNT #3] 70 anos do fim do holocausto

Em  2015 o mundo lembra os 70 anos do fim do holocausto, um dos períodos mais horríveis da história mundial. No dia 27 de janeiro de 1945 as tropas soviéticas chegaram para acabar com as atrocidades sofridas pelos judeus e demais povos presos em Auschwitz, o maior e mais terrível campo de concentração da época nazista. Estima-se que um milhão de pessoas não saíram vivas de lá. Foi uma fase de intolerância e muito sofrimento. Hoje a data, 27 de janeiro, é considerada o dia internacional da lembrança do holocausto.

Mas apesar de tudo algumas pessoas sobreviveram e contaram ao mundo suas histórias e a de seus familiares e amigos. A 3ª edição do SNT vai trazer algumas das produções que retratam o período nazista. Em vídeo comento sobre O diário de Anne Frank, livro que conta a história de uma adolescente judia que morreu aos 15 anos. Anne ficou famosa no mundo inteiro e até hoje emociona a todos com seus relatos sobre a época em que viveu escondida com a família para tentar fugir dos alemães.

Deixe um comentário