Coragem

Hoje eu quero falar sobre coragem.
Esse substantivo feminino que se torna verbo quando precisamos colocá-lo em prática. Porque pra ter coragem ou ser corajoso é preciso dar um passo, tomar uma atitude. Sair do campo da ideia e partir pra ação.

Não é fácil ter coragem. Não é fácil sair da zona de conforto. Avaliar a vida e pesar na balança o que te faz bem e o que te faz mal. Excluir da vida o que não te preenche mais.
A gente fica com aquela ideia: pode mudar. Amanhã será um novo dia e tudo vai ser diferente.
Bem, se as mudanças dependem de um conjunto de fatores e pessoas, a certeza do bom amanhã não vai existir 100%. Não controlamos muitas coisas nessa vida. Às vezes não controlamos nem os nossos pensamentos, imagine outras situações fora do nosso eu.
Mas ainda temos o direito de fazer escolhas para que todo dia seja bom e todo amanhã seja um pouco melhor que o hoje. E pra isso existe a coragem.
Coragem de dizer não.
Coragem pra correr atrás dos objetivos.
Coragem pra se distanciar de quem não te faz bem.
Coragem pra desapegar. Sair da zona de conforto. E seguir sem medo.
Coragem pra admitir que uma jornada chegou ao fim e tudo bem.
Coragem pra reinventar a vida.
Estou lendo A arte de pedir, da artista Amanda Palmer. Entre tantas experiências interessantes, Amanda encontrou no seu caminho grandes amigos mentores, um deles é o Anthony que sempre que encontrava a artista tendo um “surto autodestrutivo intenso” repetia a história a seguir:
Um camponês está sentado na varanda de casa, à toa.
Um amigo aparece para cumprimentá-lo e ouve um som medonho, um ganido agudo e prolongado, vindo de dentro de casa.
– Que som pavoroso é esse? – pergunta o amigo.
– É o meu cachorro – responde o camponês. – Está sentado num prego.
– Mas por que ele não levanta e sai dali? – quer saber o amigo.
O camponês pensa e então diz:
– Ainda não dói o suficiente.
Quando Amanda tinha crises, se perguntava porque fazia aquelas coisas com ela mesma. Por que continuava a se meter em situações que a deixavam mal? E aí ela lembrava da história: “ainda não dói o suficiente”.
A verdade é que a vida não é um jogo “no limite”. A gente não precisa travar uma batalha diária. Não precisamos nos colocar à prova de qualquer coisa que seja pra provar nada pra ninguém. Não precisamos aguentar situações com medo de perder. Com medo de errar. Com medo de pedir ajuda. Com medo de tentar de novo. De começar tudo novamente. Do zero.
A gente vai sentar em alguns pregos na vida, é inevitável, mas assim que começar a incomodar, levanta e segue em frente. Vai ser melhor pro mundo e, principalmente, melhor pra você.
Não precisa doer o suficiente. Não precisa se acomodar na dor. Só precisa é de coragem pra saber que você sempre merece o melhor. E que você pode e deve buscá-lo.
Hoje, eu te desejo coragem.

8 Comentários

  1. Shh escute as palmas, é isso que escutei pós ler este post de hoje.
    Amei,não tem nem o que falar a não ser CORAGEM .
    Arrasou minha Jenni, beijão

  2. Jenni, que texto maravilhoso!
    Só te agradeço por esse texto hoje, dá vontade de imprimir e colar na testa para ler todas as vezes que achar que não está doendo o bastante ou em situações de se acostumar com a dor, parabéns mesmo, pelo texto e pela sua coragem inspiradora!

    Abraço do Luke

    • Jeniffer Geraldine Reply

      Obrigada, Luke!
      Desejo coragem pra você também.
      Bjão

  3. Pingback: Coragem - Terra de Lucas

  4. Pingback: O Blog em Junho e Meus Favoritos do Mês – Um Café com Luke

  5. já vim aqui ler esse post umas 5x (sem brincadeira). virou o meu preferido daqui.
    obrigada por isso ♥

    • Jeniffer Geraldine Reply

      K, eu já li esse texto mais de 10x.
      fico feliz demais com seu comentário.
      e sigo te desejando coragem. ♥

Deixe um comentário:

Navigate