Como eu era antes de você – Jojo Moyes

Ganhei o livro Como eu era antes de você (Intrínseca, 2013) tem uns dois anos e confesso, antes de explicar a minha indicação e falar um pouco da história, que a capa é bem feinha e não me instigou a leitura. Mas aí fui dar uma chance para Louisa Clarck, a personagem principal, de 26 anos, que tem uma vida bem normal: garçonete, um namorado, não ganha muito e ainda tem que ajudar nas despesas da família… Até que um dia o café, no qual ela trabalha, fecha as portas e Louisa se vê obrigada a procurar outro emprego e é aí minha gente, nesse ponto chave de uma boa história, que o romance se desenvolve.

OBS.: Sou fascinado por comédias românticas e romances, por isso a indicação desse livro. É de fazer chorar. OPS, desculpa o spoiler!

O emprego que ela arranja depois que o café fecha é como cuidadora de um tetraplégico, Will Traynor, de 35 anos, sem gosto nenhum mais pela vida e completamente mal-humorado. Claro que, como toda história, você já deve estar sentindo isso… Louisa vai mudar a vida de Will e vice-versa. Sim, isso irá acontecer, não vou mentir e isso não é spoiler, tá?! É apenas a sinopse do livro.

É uma história, como falei, pra chorar. Chorei horrores minha gente. Terminei o livro e continuava derramando lágrimas. Uma vergonha! Kkk

É um bom enredo, meio clichê em alguns momentos, mas uma boa leitura para você que gosta de romances assim, digamos, melodramáticos. Louisa tentará mostrar a Will que ainda existem motivos para viver e Will tentará arquitetar o seu plano que é dar um fim a sua vida. E Jojo Moyes, como uma boa autora, consegue te colocar bem pertinho de ambos os personagens. Você se sente ligado à história, a dor de Will e a tentativa de Louisa em dar um jeito na sua vida e na dele.

(…) Se ele amar, sentirá que pode seguir em frente. Sem amor, eu já teria afundado várias vezes!. (pag 186)

Ninguém quer ouvir você falar que está com medo, ou com dor, ou apavorado com a possibilidade de morrer por causa de alguma infecção aleatória e estúpida. Ninguém quer ouvir sobre como é saber que você nunca mais fará sexo, nunca mais comerá algo que você mesmo preparou… Ninguém quer saber que às vezes me sinto tão claustrofóbico estando nessa cadeira que tenho vontade de gritar feito louco só de pensar em passar mais um dia assim. (pag 220)

Alguns erros… apenas têm consequências maiores que outros. Mas você não precisa deixar que aquela noite seja aquilo que define quem você é. (pag 221).