Commonplace book e aprendizado ao longo da vida

Um dos conceitos mais falados nos últimos tempos é lifelong learning, que pode ser traduzido como aprendizado ao longo da vida. O conceito tem se popularizado cada vez mais no Brasil através do trabalho do Conrado Schlochauer e do seu recém livro Lifelong learners – o poder do aprendizado contínuo: Aprenda a aprender e mantenha-se relevante em um mundo repleto de mudanças.

A proposta de ser um eterno aprendiz é de ativar a sua curiosidade diante do mundo sempre alinhada ao autoconhecimento – escolher aprender sobre aquilo que te interessa ou que você compreenda que precisa desenvolver mais. E é uma busca pelo conhecimento muito além de apenas adquirir competências profissionais, mas para te transformar como pessoa de modo geral.

Em matéria para Você S/A, o Conrado diz que esse aprendizado pode vir não apenas dos livros, mas também de outras experiências, pessoas, conteúdos e redes sociais.

Universidade Pessoal

Ao ler sobre essa proposta de aprendizado contínuo, lembrei da ideia de Universidade Pessoal, da Thais Godinho. A autora do blog Vida Organizada mantém um esquema de estudos autodidatas que ela criou para poder colocar em prática o seu desejo de sempre aprender sobre temas que possui interesse. Em vez de fazer diversas faculdades ou cursos de longa duração, a Thais investe em livros e cursos menores.

“Por isso, com o tempo eu fui desenvolvendo um negócio que chamei de “universidade pessoal”. Eu não preciso fazer uma faculdade para estudar aquele assunto. Posso estudar por mim mesma, com a vantagem de não ter que estudar o que não tem nada a ver comigo.Para fazer isso, eu seleciono alguns temas que tenho interesse em estudar atualmente e foco neles. Exemplo: vendas. Atualmente, com o blog, os workshops, a loja, eu percebi que me falta know-how desse assunto. Portanto, trata-se de uma disciplina que quero estudar e entra no meu ciclo.”

Me identifico bastante com a Thais e tenho colocado em prática a Universidade pessoal. Aliás confesso que esse era um dos meus grandes objetivos após finalizar o mestrado. Aguardava empolgada o momento de entregar minha dissertação não só para concluir essa etapa incrível, mas para pode dar andamento em leituras e cursos sobre outros temas que tenho interesse. Atualmente minha universidade pessoal tem temas como: minimalismo digital, slow life, organização e produtividade, internet e comportamento.

Colocar em prática algo como a Universidade Pessoal é o que nos ajuda na construção de uma identidade de eterno aprendiz. Algo que, sinceramente, também traz muita motivação para a vida e torna a rotina mais criativa e interessante. É também uma estratégia para manter o hábito diário da leitura.

Meus CPBs na estante

Commonplace Book

Uma ferramenta que pode ser utilizada para registrar nossa jornada de aprendizado contínuo é o commonplace book.

O commonplace book é um caderno de referências, um lugar único em que você registra seus conhecimentos adquiridos. Pode ser feito na versão física ou digital. O importante é ter esse lugar para sempre anotar seus aprendizados.

Utilizo o commonplace book desde 2016. Na verdade, uso há bastante tempo. Gosto muito de cadernos e canetas, então sempre tive um caderninho onde escrevia sobre livros, filmes, séries, aulas avulsas. Mas o uso mais comum era para escrita sobre alguma produção cultural.

Em 2018 foi que eu separei um caderno com a finalidade de ser o commonplace book com direito a páginas numeradas e índice. Com o tempo fui adaptando o uso do commonplace book para o que funciona para mim.

E agora vou compartilhar como utilizo atualmente o commonplace book:

  • Caderno

Uso caderno físico no formato espiral porque é o meu tipo favorito. Acho mais prático para escrever já que posso abri-lo totalmente e o caderno espiral  é de capa dura – o que ajuda a ser um apoio na hora de escrever em qualquer lugar além da mesa. Também passei a usar cadernos com mais de 180 páginas para que eles durem mais tempo pois eu realmente costumo escrever bastante.

  • Escrevo sobre (quase) tudo

Registro no meu CPB escritos sobre livros, filmes, séries. E essa parte chamo de diário cult. Faço anotações de cursos de curta duração; anotações de lives, vídeos, podcasts – qualquer coisa do tipo que sinta a necessidade de escrever.

  • Não faço reflexões pessoais

Isso quer dizer que eu não escrevo sobre meus dias e sentimentos, como se fosse um diário. Para reflexões mais sentimentais eu uso um outro caderno em que faço as páginas matinais.

  • Não faço planejamentos

O meu CPB não serve como rascunho de nada. Para rascunhos de modo geral uso a ferramenta “risque e rabisque”.

  • Mantenho rotina de escanear e arquivar

Costumo escanear e arquivar as anotações dos cursos assim que eles terminam. Deixo tudo no meu Evernote que é a minha ferramenta de arquivamento de referências.

  • Utilizo post-its para agrupar temas

Caso eu sinta a necessidade, marco algumas páginas com post-it para saber que elas fazem parte de um mesmo assunto. Uso código de cor que identifico no início do caderno.

  • Crio um guia de assuntos no início do CPB

Todo final de mês faço uma lista dos assuntos que registrei no CPB. Não incluo paginação. Apenas os temas.

O CPB é um das minhas ferramentas favoritas. E recentemente todos os cadernos que já usei com esse objetivo ganharam um lugar especial na estante. Justamente porque valorizo muito o conhecimento e o meu tempo investido nele.


Espalhe por aí:

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

11 comentários em “Commonplace book e aprendizado ao longo da vida

  1. Achei super interessante o conceito da universidade pessoal, mas confesso que tenho algumas críticas. A principal é que, dependendo da área, você vai precisar de uma graduação, então é uma ideia que não se aplica a todo mundo. Mas tudo bem, porque acho que nem era essa a intenção, né? Tô problematizando sem necessidade alguma, auehuahe.

    Já o commonplace book é sensacional, senti uma mistura de bujo com diário com aprendizados, sei lá, achei lindo. Talvez eu não conseguiria fazer, mas adorei a ideia! Beijinhos.

    • Oie, Masha. Essa não é a intenção. 🙂 A universidade pessoal é para estudar assuntos que temos interesse além da nossa área de formação ou até complementar a área de formação. bjo

  2. eu nunca tinha ouvido falar dessa técnica, mas já gostei e irei testar!
    eu bem tenho um caderninho sobrando por aqui mesmo hahah

    super beijos
    Carol Justo | Justo Eu?!

    • Faça um folhear do seu commomplace, tipo os videos do canal Caderno Narrativa.
      Gosto muito de cadernos usados, dá uma satisfação ver um caderno todo preenchido e bem utilizado.

  3. Pingback: O que é autogentileza - Jeniffer Geraldine

  4. eu já ouvi falar do common place faz tempo mas nunca coloquei em prática… quer dizer, por excelência eu até tenho uma pasta dessas no drive, mas quero muito fazer de forma física pois eu sinto que aprendo mais, e acho mais legal também. esse ano já tenho até o caderno pra isso.

    adorei seu post

    super beijosss
    Carol Justo | Justo Eu?!

    • Sou fã do CPB. É uma das ferramentas mais legais para registrar aprendizados.
      bjs!

  5. Pingback: Cadernos 2022 - Jeniffer Geraldine