Posts por Jeniffer Geraldine

Bonsai – Alejandro Zambra

Nós estamos acostumados a acompanhar o desenrolar de relacionamentos, aquela comédia romântica ou um romance “água com açúcar”. É bonito ver dois personagens se conhecerem e construírem juntos uma história de amor. Mas na vida as relações têm começo, meio e fim. E a vida imita a arte, a arte imita vida.

O chileno Alejandro Zambra em seu livro Bonsai (Cosac Naify), nos apresenta a história do fim do amor entre Julio e Emilia, dois estudantes de Letras. Logo no início Zambra deixa claro que ela morre e ele fica sozinho. Leia mais

Exorcismos, amores e uma dose de blues – Eric Novello

Eric Novello é um dos atuais entusiastas da literatura fantástica brasileira. Desde 2004, escreve contos e romances que misturam fantasia e realidade, além de organizar coleções sobre os temas. Exorcismos, amores e uma dose de blues (Editora Gutenberg, 2014), seu mais recente lançamento, é uma mistura de literatura noir, música, romance e, principalmente, um convite para descobrir e apreciar a literatura contemporânea do Brasil. Leia mais

Jardim de inverno – Kristin Hannah

Seguiu em frente. Ultimamente, esse parecia ser o melhor modo de lidar com as coisas.

“Seguir em frente” é o tipo de conselho que a gente escuta sempre que passa por um período turbulento na vida, seja ele de perda material ou emocional. É um conselho clichê, porém, às vezes, necessário. A gente segue, mas nem sempre esquece. O fantasma da lembrança sabe como nos assustar e nos aprisionar ao longo da vida. Só que tudo é uma questão de permissividade.

Jardim de Inverno, da escritora Kristin Hannah (Editora Novo Conceito), vai nos mostrar de que forma o fantasma da lembrança pode assombrar uma família durante anos, fazendo com que as escolhas do passado interfiram nos laços afetivos do presente. Leia mais

O Mágico de Oz – L. Frank Baum

Existem narrativas que são impossíveis de ler sem que um filme passe na cabeça ou sem aquela voz de tia que conta história para as crianças dormirem. O mágico de OZ do L. Frank Baum é uma delas.

Dorothy vivia no Kansas com sua tia Em e o tio Henry quando um ciclone atingiu a região levando a menina e a casa para um lugar distante, diferente, encantador e cheio de surpresas, a Terra de OZ – onde reinava um poderoso mágico que ninguém jamais vira, mas todos respeitavam e admiravam. Leia mais

Quarta-feira de cinzas

Nos conhecemos num domingo. Os bloquinhos passavam. As pessoas esbarravam. A rua estava movimentada. Não tinha como voltar sem tropeçar em alguém. Não tinha como ir sem enfrentar de frente as pessoas que vinham atrás da marchinha. E ali parado, esperando aquele tsunami de confetes e alegria passar, a gente se esbarrou. Esbarrou mesmo. Ele estava conversando com uma amiga. Eu estava de costas. Nós viramos ao mesmo tempo e como num filme, cara a cara, quase um beijo roubado acidentalmente pelo acaso.

Naquele curto espaço físico fomos obrigados a conviver com o encontro. Surgiram desculpas pelo esbarrão, sorrisos sem graça. E daquele choque entre nossos corpos algo soltou faísca. Do esbarrão para o beijo não durou muito mais que 30 segundos. Tudo aconteceu rápido, voraz e sedento. Leia mais

#LeiaBrasileiros 3 livros nacionais contemporâneos

Uma das minhas vontades literárias  é ler mais autores brasileiros contemporâneos. É fato que ainda há uma super valorização dos clássicos brasileiros – algo totalmente compreensível – mas tem muito livro bom sendo produzido no Brasil e que merece nossa atenção.

Desde que comecei a colocar em prática essa minha meta, já conheci seis novos escritores brasileiros: Marçal Aquino, Fernanda Torres, Maria Christina Monteiro de Lobato, Socorro Acioli, Raphael Montes e Eliane Brum. Separei  3 livros que mais gostei e super indico a leitura. São obras totalmente diferentes e cada uma se encaixa em um gênero literário. Leia mais

O detetive de Edgar Allan Poe

Sou fã do gênero policial e desde quando comecei a ver a série “Sherlock Holmes”, decidi ir a fundo no gênero. Assisto muito seriado, mas não tinha o hábito de ler livros do estilo.  Acabei criando uma meta: vou ler mais literatura policial!

Por onde começar? Bem, pelo início, por Edgar Allan Poe considerado o criador do gênero ficção policial.

Poe nasceu em Boston em 1809. Ficou órfão ainda jovem, foi adotado informalmente por Francis Allan e John Allan. Se alistou nas forças armadas, teve problemas com bebidas, casou com sua prima de 13 anos,Virginia Clemm.  Foi escritor, poeta e crítico literário. Leia mais

Forte de Santo Antônio, s/n

– Forte de Santo Antônio, por favor.

– Você quer dizer: Farol da Barra? – O taxista respondeu

– Sim. Isso mesmo!

O final de semana em que estive na sua cidade foi um misto de emoções. Me senti um liquidificador contendo em seu interior ansiedade, estranhamento, curiosidade e encantamento. Me vi reconhecendo aquelas ruas em que andamos juntos num passado próximo. Andando de mãos dadas como fazem os casais? Não. A sociedade ainda não estava preparada para o nosso caso de amor. Talvez nem nós dois estivéssemos… Andávamos lado a lado, esbarrando um no outro, sentindo a pele roçar discretamente. Leia mais

[Diário de leitura] “Mentiras no Divã” – Mentiras enquanto o reverso das verdades¹

O inimigo da verdade não é a mentira
e sim, a convicção.

Friedrich Nietzsche

Mentiras no Divã me conduziu a um elevado estado de ebulição psíquica. Desde o início de sua leitura muitas reflexões têm sido feitas, aprofundadas e muitas outras seguem em busca de um terreno para se assentar…

Sinceramente, não sei como descrever o quanto essa leitura mexeu em minhas estruturas… nesse exato momento a única que coisa que tenho por certo é a sensação da necessidade de viver a fase do “rezar”[²]… estar em um canto isolado, quieto, para entrar em profundo contato com o meu “eu” e com o cósmico… Leia mais

Pinturas e esculturas em livros

Os livros são objetos sagrados para os  booklovers. Não pode sujar, amassar, dobrar as folhas etc.  Mas nem todo mundo tem esse cuidado especial e alguns livros acabam ficando estragados ou velhos. E é aí que entra o artista Mike Stilkey.

Nascido em Los Angeles no ano de 1975, na Califórnia,  Stilkey utiliza mistura de tinta,  lápis de cor e verniz para reaproveitar as capas e lombadas dos livros velhos empilhados e criar verdadeiras obras de arte. Leia mais