Eu receberia as piores notícias dos seus lindos lábios – Marçal Aquino

Faz um bom tempo que tenho vontade de ler esse livro do Marçal Aquino. Considero o título – Eu receberia as piores notícias dos seus lindos lábios – pura poesia. Impactante, forte! Me fez pensar inúmeras vezes do que se tratava, de quem seria os lindos lábios, de quem seria esse grande amor. Porque um título desse só pode falar de um grande amor.

O fotógrafo Cauby narra a história em primeira pessoa. Logo no início não sabemos ao certo o que ocorreu com ele, apenas que sofreu algum trauma grande em sua vida. Marçal Aquino nos leva até o Pará e nos conta sobre o amor vivido e sofrido pelo fotógrafo Cauby.Continue lendo

A probabilidade estatística do amor à primeira vista – Jennifer E. Smith

Depois de ler Eleanor & Park resolvi ler mais um livro YA. O escolhido foi “A probabilidade estatística do amor à primeira vista”, da escritora americana Jennifer E. Smith, lançado no Brasil pela Galera Record. O motivo da escolha é bem óbvio (risos), o título. Já faz um tempo que vi, achei bem interessante e logo imaginei que viria por aí uma história bem fofa e leve – a capa também ajuda a passar essa impressão.

Em “A probabilidade…” vamos conhecer Hadley, uma adolescente de 17 anos, que precisa ir para Londres ao casamento do pai com uma mulher que ela nem conhece direito mas já não suporta. O fato é que Hadley ainda não se acostumou com a ideia de que o pai tem uma nova vida longe dela e de sua mãe.

Na manhã que precisa pegar o voo tudo parece diferente e lento para Hadley e com isso, ela acaba se atrasando e perdendo o avião. Mas como dizem, há males que vem para o bem. Por conta desse atraso, ela conhece o britânico Oliver, um rapaz “alto e elegante, com os cabelos desarrumados, olhos verdes”, que vai sentar próximo a ela no voo. A viagem é longa e eles têm um bom tempo para conversar.Continue lendo

Laços de família – Clarice Lispector

Recentemente tive uma grande ressaca literária. As tentativas de iniciar leituras foram muitas e sem sucesso. Mas não queria passar o mês sem ler nada e comecei a buscar soluções para diminuir ou acabar de vez com a ressaca. Dentre as soluções, pensei em reencontrar uma velha amiga, Clarice Lispector. A última vez que li algo da escritora foi em 2011, o Clarice na cabeceira (crônicas).

O livro escolhido para nortear esse encontro foi Laços de Família, que reúne 13 contos publicados pela primeira vez em 1960 e que deu para Clarice o prêmio Jabuti de literatura em 1961.

Em Laços de Família, Clarice expõe de forma íntima o dia a dia das suas personagens. Qualquer pessoa veria a rotina de uma dona de casa como algo simples e banal, Clarice enxerga isso como algo profundo e complexo. Em cada conto, Lispector trata também dos laços que unem ou aprisionam as personagens aos seus familiares.

A escritora, sem dúvidas, nos faz pensar que nem tudo é sempre tão simples e raso. Há pequenos detalhes na rotina diária que pode trazer mudanças na vida, basta apenas, de vez em quando, ter um pouco mais de atenção ou se deixar levar pelo que pode fugir à regra. A realidade é sempre maior do que aquilo que se vê. E assim, Clarice me fez lembrar o trecho do poema “As lições de R. Q” do Manoel de Barros: “… é preciso transver o mundo”.Continue lendo

O Ladrão de Crianças – Gerald Brom

Já comentei aqui sobre o poder que a literatura tem de nos possibilitar viver outras vidas, mas esse é apenas um dos poderes que essa arte possui. Um outro e que julgo também muito importante é a liberdade. Fazer e consumir literatura são atos livres.

A partir do momento que um texto é dado como “acabado” pelo seu autor, ele começa a existir para o leitor e a partir dali, torna-se algo também do leitor. A leitura que ele fará da obra estará intrinsecamente ligada a sua subjetividade e por ser algo único abre-se, assim, um leque de possíveis releituras e isso, na minha opinião, enriquece a discussão, a literatura e a vida.

Há quem se arrisque e além de fazer uma releitura, faz de um clássico. É quase como tocar em algo sagrado, mas, como já comentei, considero algo inevitável e essencial. Um livro que venha a ser uma releitura é um novo olhar, uma nova obra e uma ode ao seu original.Continue lendo

Revivente – Ken Grimwood

Às vezes tomamos decisões consideradas erradas na vida que nos fazem querer voltar no tempo e ter a oportunidade de fazer tudo diferente. Reviver determinado dia bom para fazê-lo ainda melhor, ou algum dia ruim para torná-lo bom. É a tal segunda chance sonhada por tantos. Mas para voltar no tempo e fazer diferente seria preciso ter a consciência de que antes as coisas não saíram como o esperado. E o “voltar no tempo” seria algo consciente? E, outra, reviver a vida seria uma benção ou um fardo?

Jeff Winston, jornalista de rádio, 43 anos, é um revivente no livro do Ken Grimwood, lançando no Brasil pela editora Gutenberg em março de 2014.  Vivendo um dos piores momentos da sua vida, casamento em crise, insatisfeito com a profissão, Jeff tem um infarto e volta aos seus 18 anos, em 1963, no seu quarto da época da faculdade. Ele voltou no tempo e estava consciente sobre isso. Tinha a oportunidade de viver uma nova vida, mas com a bagagem daquela vivida antes.

Jeff tinha lembranças não só dos seus dias, mas dos acontecimentos mais marcantes da humanidade para as próximas duas décadas. O ambiente era igual, as pessoas eram familiares, mas parecia que ele tinha a chance de fazer as coisas diferentes dessa vez.Continue lendo

Jogos Vorazes – Suzanne Collins

Jogos Vorazes, o primeiro de uma trilogia distópica YA (young adults – jovem adultos), da autora Suzanne Collins, foi lançando em 2008 e em 2012 ganhou uma adaptação para o cinema.

A história se passa em um futuro não identificado em Panem, país que se ergueu das cinzas de um lugar que no passado foi chamado de América do Norte, formada pela Capital e mais 12 distritos comandados pela Capital de forma bastante opressora, principalmente depois de uma rebelião conhecida como Dias Escuros que acabou com o 13º Distrito e deu início aos Jogos Vorazes. E é pela visão de uma moradora de dezesseis anos do Distrito 12, a destemida Katniss Everdeen, que vamos conhecer os Jogos Vorazes.Continue lendo

Eleanor & Park – Rainbow Rowell

Na minha infância/ juventude, eu era alta, magra, tinha um cabelão cacheado e alguns cravos no rosto. Tinha uma turma de amigos no bairro onde morava e entre os amigos, estava lá o chamado primeiro amor. A graça naquela época era trocar olhares, cartinhas e ser o par na quadrilha de São João. O menino que eu “amei” em toda minha infância, não foi o que me deu o primeiro beijo. Aliás, lembro que o primeiro beijo no amor de infância foi quando a infância já tinha passado.

A inocência era tão grande naquela época – ok, não sou tão velha. Estou chegando aos 26 anos, mas o que essa garotada anda fazendo entre os seus 10 e 15 anos está me assustando demais – que as coisas costumavam a demorar para acontecer. Mas quem se importava? Eu não me importei e vivi a inocência daquele amor que hoje me traz lembranças de deixar o sorriso no canto da boca aparecer quase sempre. E foi com esse mesmo sorriso que li Eleanor & Park.

Eleanor & Park é o segundo livro YA (jovens-adultos) da escritora americana Rainbow Rowell. Em 2013, o romance foi escolhido pelo The New York Times, Amazon e Goodreads como o melhor no gênero YA e em 2014 foi lançado no Brasil pela Editora Novo Século.Continue lendo

A Cabeça do Santo – Socorro Acioli

Socorro Acioli, jornalista e doutora em estudos de literatura, começou a escrever as primeiras ideais para o livro “A Cabeça do Santo” (Companhia das Letras, 2014) na oficina de criação e roteiro “Como contar um conto”, ministrada por Gabriel García Márquez na Escuela de Cine y TV de San Antonio de Los Baños, em Cuba, no ano de 2006.

Em “A cabeça do santo”, vamos acompanhar a saga de Samuel pelo sertão do Ceará com o objetivo de cumprir o último pedido que sua mãe, Mariinha, fez antes de morrer e encontrar a avó e o pai que nunca conheceu. Após uma longa viagem a pé, sofrendo com as surpresas do sertão nordestino, Samuel chega em Candeia – uma cidadezinha cheia de desesperança, desfelicidade e desgraça. E lá encontra uma gruta para dormir, mas quando acorda ele se depara com uma confusão de vozes femininas na sua cabeça.

A gruta, na verdade, era a cabeça oca de uma estátua de santo Antônio. E as vozes, preces que as mulheres faziam para o santo.

“O fato é que as orações das mulheres reverberavam dentro da cabeça do santo e, por algum motivo, Samuel conseguia ouvir. No dia seguinte ele comeu goiaba, folhas, bebeu água da chuva e percebeu que as orações aconteciam de manhã e à tarde. Nem sempre todas as vozes, nem sempre as mesmas palavras, mantinham-se apenas o pedido: elas amavam e queriam casar.” (p. 34)

Continue lendo

3 séries que abandonei

Formato Galeria

Sempre rola uma dor no coração quando vou abandonar uma série. Mas desapegar é importante e ao longo desses anos de seriadora, abandonei algumas tramas que no início eu cheguei a jurar amor eterno.

Separei 3 para compartilhar com vocês:

Covert Affairs

“Annie Walker (Piper Perabo) terminou seu treinamento na CIA e apenas um mês depois já foi chamada para uma operação. Mal sabe Annie que os chefões da CIA estão atrás de uma pessoa de seu passado, por isso a colocaram na tarefa. Como nova agente, Annie encontra em seu instrutor Auggie (Christopher Gorham), um agente que ficou cego em uma missão, um grande amigo e é com sua ajuda que conseguirá sair das mais complicadas situações. Assim que começa a agir, Annie percebe que o mundo de agente da CIA não é nada fácil e totalmente perigoso, mas tem Auggie e outros parceiros para ajudá-la.” (Sinopse do Orangotag)

Doeu abandonar Annie, seus looks impecáveis e seus lindos e divertidos affairs, mas foi necessário. Apesar de achar surreal ela correndo com um salto 15 (ou quase isso, não entendo de saltos), a trama da espiã mais chique da CIA me cansou. Primeiro porque todo cara que eu torcia para que ela ficasse junto, morria ou sumia do mapa. Segundo porque cansei de ela ter sempre que se envolver com quase todo homem que aparecia no episódio. Terceiro porque não concordo com o rumo que a vida amorosa de Annie tomou – vou apenas comentar isso para não dar spoiler. E, sim, ainda tem o quarto motivo: definitivamente, Annie não é a melhor das espiãs/detetive do mundo.Continue lendo

Por enquanto agora – Maria Christina Monteiro de Castro

por-enquanto-agora-livroMaria Christina Monteiro de Castro é jornalista, mineira, e publicou “Por enquanto agora”, seu primeiro livro, pela editora Apicuri, em 2012, aos setenta anos. Sabe quando você senta para conversar com algum parente mais velho e ele começa a te contar os momentos vividos na juventude? O papo é sempre interessante. A gente conhece através das lembranças deles uma sociedade diferente da atual, outros costumes, outras glórias e alegrias. Foi exatamente essa a sensação que tive ao ler “Por enquanto agora”.

Celina, menina curiosa, futura amante da língua portuguesa, gostava de escrever e de histórias de gente, por gostar de histórias de gente de verdade, ela vai nos contar a história da sua vida. Mas ninguém vive nesse mundo sozinho, a história da nossa vida é entrelaçada com a de quem conviveu conosco. E o destino quis que a vida de Celina fosse entrelaçada à vida de mais três mulheres, três irmãs, tão diferentes.

Tudo isso pode ser fato, invenção de tia, vizinha, mãe ou babá, ou mistura de fantasia, escuro, medo e desejo, porque todo mundo tinha muitos filhos naquele tempo e até lá pelos meus seis anos, antes de dormir de touca e pijama de flanela e enrolada num cobertor felpudo, coisa que eu gostava mais era ouvir histórias de nascimentos, chegadas e partidas, nas noites glaciais do inverno mineiro. Como se o que guardei, o que chamam memória, não fosse, ela também, ficção. Como se o que guardei, o que chamam história, não fosse, ela também, invenção. E deve ter muita fala e coisa que não é minha aí misturadas, porque eu vivia perguntando, perguntando e preferia casos de gente a fadas, madrastas e bruxos, aquelas bobagens de pozinhos mágicos, assombrações e aparições. (pag. 16)

A história se passa em Belo Horizonte, no meio do século XX, onde família de verdade era aquela grande, tradicional, católica. Celina se via no meio de tanta gente e queria descobrir a si mesma e ao mundo. Mãe católica, pai político e três irmãs: Isabel, Flávia e Sofia.Continue lendo