As vantagens da leitura digital

Lembro da minha primeira leitura no formato digital: O Hobbit. Li no iPad e naquela época foi no formato PDF mesmo. Não tinha o hábito de usar aplicativos e o Kindle era uma realidade distante pra mim. Foi uma vitória ter finalizado o livro porque me desafiei a tentar ler no tablet. Tudo bem que o livro ser muito bom ajudou a enfrentar a estranheza de ter um treco um pouco pesado (o meu iPad ainda é o 2)  e frio nas mãos e não aquele cheirinho agradável de livro novo.

Percebi que o importante não era o formato mas o conteúdo. Se a história for boa, há grande chance de ler em qualquer circunstância. Quem nunca leu em pé no ônibus lotado? Quem não aproveita a fila do banco pra ler mais algumas páginas?

Depois da experiência com o PDF pirateado #shame, comecei a experimentar o iBooks e sem seguida o aplicativo Kindle pra tablet e smartphone. E foi com o celular que eu me apeguei de vez a leitura digital. Li Eu receberia as piores notícias dos seus lindos lábios, do Marçal Aquino, todo pelo Kindle para celular. Estava na praia e ninguém entendia porque estava grudada no telefone quase o tempo todo. A família achava que estava no Facebook. Mané Facebook! Estava louca pela história de Cauby e Lavínia. E mais uma vez tive certeza: não importa o formato mas sim o conteúdo.

Comprei um Kindle do modelo simples (sem luz, sem touch), em promoção no Ponto Frio. E hoje sou louca para ter o de última geração. Continuo utilizando o aplicativo em todos os meus dispositivos móveis e também nos computadores. É prático e fácil de usar. E o fato de sincronizar a leitura em todos os dispositivos é uma maravilha. E ainda temos o Kindle Unlimited com uma variedade enorme de títulos que você pode ler com apenas um clique.

Vou listar algumas vantagens da leitura digital:

– atemporal: não precisamos nos preocupar com exemplares esgotados porque podemos disponibilizar tudo na internet;
– muitos livros em um só dispositivo;
– distribuição rápida: basta um clique para ter acesso ao último lançamento;
– acessibilidade: audiolivros.

Já usufrui de todas essas vantagens mas ainda não experimentei um aplicativo de audiolivro bacana. E quando digo bacana, não comento apenas das funcionalidades, mas do catálogo disponível (recentemente testei o uBook – um dia comento mais sobre).

Uma outra vantagem da leitura digital na minha vida: em 2016, diminui consideravelmente a quantidade de livros físicos comprados. E isso foi ótimo pra mim. Porque não fico com uma estante acumulada de livros adquiridos por impulso (quem vive no mundo booktuber e de blogs e IGs literários sabe do que estou falando). Agora para comprar um livro físico, eu penso em várias questões: vou ler esse livro novamente? É de autor(a) favorito(a)? É de um dos meus gêneros favoritos? Faz parte de uma coleção que eu não posso viver sem? Se alguma dessas perguntas ganhar a resposta: sim, com certeza. Aí, eu compro o livro. Sem nem pensar muito.

Acumular coisas, seja lá o que for, às vezes dá impressão de energia parada. De desorganização. É bem mais saudável, pelo menos pra mim, ter uma estante organizada com aqueles livros que realmente possuem um significado especial na minha vida.

Outro motivo que me levou a ler mais livros digitais: os calhamaços. Eu tenho problema de postura, então a mesma posição por muito tempo, me incomoda bastante! E imagina a mesma posição segurando um livro de 500 páginas? Sem condições. É bem mais confortável ler em algum dispositivo.

Pensando em tudo isso, comecei a ler mais livros digitais. Ainda continuo lendo livros físicos. A experiência é única e já aconteceu de pegar uma amostra digital pra ler, me apaixonar pelo livro e comprar o físico (Mr. Mercedes, do Stephen King, por exemplo).

Se você ainda está resistente quanto a leitura digital. Fica aqui a minha dica: escolha um livro de um autor ou gênero favorito. Há uma grande chance da leitura fluir numa boa. Não é que você vai abandonar a leitura de livros impressos, você só vai ter uma opção a mais e quem sabe começar a fazer uma limpa nessa estante cheia de livro. Desapegue e permita-se novas experiências!

Compartilhe:
Escrito por Jeniffer Geraldine
jornalista, criadora de conteúdo, mestranda em crítica cultural